Untitled design (9)

Anna Kariênina por Liev Tolstói

É um romance histórico, situado na Rússia séc XIX, escrito da mesma época. Sempre ligado à dualidades (paralelismo, contrastes), duas capitais, capital e campo, aristocracia e trabalhadores (apesar de que no ponto de vista de aristocratas), homem e mulher, religião e ceticismo, intelectual e homem prático, socialismo e capitalismo…

Os dois personagens principais são Anna e Liévin, apesar de não terem nenhuma relação direta, a história envolve o circulo social em comum com os dois, então estão intimamente ligados com os atos um do outro.

2015-07-04 20.28.41

Meus pensamentos:

Deliciosamente escrito. O começo tem uma leitura super fluida, a impressão é que vai passar rápido. Achei muito interessante a apresentação dos personagens, começando centrada em uma pessoa, que se encontra com o outro, e a narrativa passa a focar nesse segundo, e assim por diante. Até Anna ser apresentada.

Como protagonistas, os pensamentos mais detalhados no livro são os deles dois, e são também os seres mais indecisos e confusos que eu já vi/li/presenciei. Estão sempre em conflito com alguma decisão, ou sentimento. Às vezes é interessante, pois mostra como o ser humano é volúvel e confuso, mas quando o conflito se repete constantemente (o livro tem 800 páginas, seria impossível algo não se repetir) ou você acredita que tomaram a decisão, mas na página seguinte mudam de ideia, é um pouco cansativo e irritante.

Fora esses momentos, e o fato que é um livro longo, então tem que ser lido com calma, pois nada vai acontecer de repente (quase tudo), é uma história excelente!!

É dividido em 8 partes, e todas têm mais ou menos o mesmo ritmo, com um começo situando quanto tempo passou e como estão os personagens, algum acontecimento que muda a vida de todos os personagens do núcleo, e algum tipo de resolução no final.

Diversos temas são abordados, família, religião, lealdade, amor (de diferentes tipos, à um parceiro, filho, trabalho, família, terra, estilo de vida, ideologia), política, o papel da mulher, o sentido da vida, morte… Marquei várias passagens interessantes:

Apesar de ter demorado pouco mais de 1 mês para ler, talvez tivesse aproveitado um pouco mais se tivesse lido mais devagar. Absorver tudo que Tolstói quis passar com a obra em tão pouco tempo é injusto e complicado. As oito partes foram sendo publicadas com intervalos entre si, e sendo escritas nesse ínterim.

Sinto também que algumas reflexões fizeram mais sentido então, e hoje temos mais flexibilidade em aceitar diferentes modos de vida (eu pelo menos), mas o conflito principal, que é pelo que a obra é mais conhecida, o adultério de Anna, e as consequências disso são um pouco fora da nossa realidade, então fica muito difícil aturar as angustias dela. A posição na sociedade, o direito de ver o filho do outro casamento, a relutância do marido em dar o divórcio, o tratamento dado pelo amante e o que ele espera dela, tudo isso seria mais simples hoje. Claro que ainda existem conflitos parecidos no mundo atual, mas são gerados por motivos diferentes dos apresentados no livro.

Quanto mais eu penso sobre o livro, mais eu me espanto com o quão rico foi, mesmo a leitura tendo sido penosa algumas vezes. Não recomendo para qualquer pessoa, mas quem gosta do tipo de livro que faz reflexões sobre o cotidiano humano e nossos desejos, virtudes e falhas mais secretos, é uma prato cheio!

Notas:

  • Escrita: 5
  • Ambientação: 5
  • Personagens: 5
  • Enredo: 4
  • Diversão: 4

estrelas

Quem já leu, me conte o que achou! Foi difícil chegar até o fim?

1

O Sol é Para Todos por Harper Lee

O que você precisa saber para querer ler?

sol-para-todos

A verdade é que eu posso contar tudo sobre o livro e ainda deixar alguém com vontade de ler, porque o interessante não são os acontecimentos em si, mas as reflexões feitas sob a perspectiva de uma garota branca de uma comunidade racista nos anos 50 no sul dos Estados Unidos. Mas o seio familiar da Scout é diferente, e por isso é que seus pensamentos sobre o que ocorre nessa cidade são tão ricos.

Muitas coisas acontecem no decorrer de 2 ou 3 anos, mas o que mais marca o livro é o julgamento de um negro acusado de ter estuprado uma mulher branca, e o pai da Scout é o advogado defensor deste homem.

Posso também não contar nada, e cada linha ser uma descoberta e surpresa.

Meus pensamentos:

Interessante como ao contar uma história aparentemente boba no começo, a autora vai dando o tom da ambientação racista, que é o foco do livro, de uma maneira tão sutil, que quem não souber do que o livro se trata não vai nem perceber as indicações.

Muita gente me disse que a história começa com esse caso do estupro. Mas para mim a história não começa aí. Essa é uma história de uma menina que está crescendo (dos 6 aos 8 anos mais ou menos) questionando o mundo e as decisões e atitudes das pessoas que a cercam. Existe a reflexão sobre o racismo e a discriminação daqueles que são contra a igualdade racial? Sim, mas o julgamento só acontece do meio para o final do livro, apesar de estar presente enraizado na sociedade e se apresentar indireta ou diretamente durante toda a leitura. Mas eu acho que é mais do que isso. É a aceitação das pessoas como elas são. Sobre o que a sociedade espera das mulheres (meninas) e como isso não faz sentido. Em como as oportunidades são diferentes de acordo com o meio que se nasce (e infelizmente em como se nasce).

Desde o começo a maior tensão gira em torno de Boo Radley, um vizinho recluso, que gera uma curiosidade típica infantil, cheia de especulações fantásticas, brincadeiras e desafios. Scout, o irmão Jem e o amigo Dill têm uma enorme vontade de ver ao mesmo tempo que têm medo de passar pela calçada da casa dele, pois as crianças tendem a ter medo do que não conhecem. E esse mistério está sempre presente, mesmo quando coisas mais importantes estão acontecendo.

Eu amei o fato de ser contado por uma menina e não um menino, por que além de Scout ser mais livre de preconceitos em comparação a outros personagens, (ela vai amadurecendo esse traço ao longo de livro) ela também questiona sobre “o papel da mulher” e o que esperam dela e ser uma “senhora”. Claro que a temática do racismo é mais forte, mas eu vi muitas outros questionamentos, como quando apareceu o cão raivoso na rua e o fim que isso teve, ou o incêndio na casa da vizinha… (sem spoilers)

A metáfora do “matar um tordo” kill a mockingbird é muito mais ampla que o racismo e como sinto que a temática principal não é só a aceitação dos negros, acho que a tradução de “O Sol é Para Todos” é uma ótima síntese do sentimento geral: aceitar as pessoas como elas são.

Mockingbird

Notas:

  • Escrita: 5
  • Ambientação: 5
  • Personagens: 5
  • Enredo: 5
  • Diversão: 5

estrelas

Me conte o que você achou! =)