Asterios Polyp por David Mazzucchelli

asterios

Esse quadrinho conta a história de Asterios, um arquiteto e professor, com pensamentos bem pragmáticos. A narrativa começa quando um incêndio ocorre no prédio onde mora, e ele precisa sair à pressas.

Misturando com memórias e os acontecimentos pós incêndio, vamos conhecendo esse personagem, a chegada da sua família aos Estados Unidos, sobre como ele conhece a esposa, e em como ele não está com ela durante o incêndio.

Meus pensamentos:

Que quadrinho incrível!! O autor usa vários artifícios para caracterizar os personagens, desde o formato dos balões de fala, a fonte utilizada e o traço para desenhar cada um. Isso dá personalidade e singularidade em cada um de uma forma que nunca vi antes. David usa diferentes paletas de cores para retratar momentos separados ou os sentimentos expressados pelos personagens  e é simplesmente um espetáculo! Amei a parte gráfica, não só por ser bonito, mas como ele utilizou cada detalhe para ajudar a contar a história e passar as emoções.

asterios2Como personagem principal, Asterios é o mais bem explorado e é justamente a construção do caráter dele o foco do enredo. Então vamos acompanhar de lembranças a sonhos desse homem arrogante, misógino e intelectual, que encontra uma esposa sensível e humilde, uma artista abstrata. A história não é sobre o romance, mas é parte importante nos acontecimentos.

É difícil explicar sobre o que é, sendo que é sobre tudo. É a vida de uma pessoa (e às vezes sobre outras envolvidas). Asterios Polyp é um pesonagem complexo, e durante o quadrinho é possível ver o poder e complexidade dos relacionamentos, profissão, família e da vida.

Foi uma leitura incrivelmente rica! Assim que terminei fiquei tentando digerir tudo, achando que com o tempo as coisas iam se assentar e eu ia conseguir falar melhor sobre. Mas passou já um tempo, e eu ainda não sei me expressar direito. Terminei com vontade de reler, prestar mais atenção aos detalhes, pois a sensação é que nada está no papel à toa, tudo tem um significado, e se você tiver pressa vai deixar passar algo incrível. Ainda quero reler, mas acho que essa vontade não vai passar. É uma obra-prima. ❤

asteriospolyp

Fangirl por Rainbow Rowell

FangirlCath está entrando na faculdade, mas ao contrário da sua irmã gêmea Wren, não está muito animada ou feliz com essa mudança. Primeiro porque elas não serão colegas de quarto, e segundo porque foi Wren quem quis que fosse assim. Elas são amigas e dividem muitas semelhanças, mas também são bem diferentes. Cath é introspectiva e tem medo de mudanças, e Wren quer conhecer pessoas novas, viver um pouco sem ter uma irmã gêmea como melhor amiga.

A experiência é traumática para Cath, tanto na vida pessoal quanto acadêmica. Ela quer ser escritora, e em boa parte já acredita ser, pois é a autora da fanfiction mais conhecida da famosa série de livros de Simon Snow. Milhões de pessoas lêem sua versão, mas ainda assim e ela precisa enfrentar medos e inseguranças sobre seu talento, sua profissão e quem é.

Meus pensamentos:

Eu entendo por que muita gente não gosta desse livro. É um livro de romance jovem adulto contemporâneo e bem meloso em algumas partes. Mas eu simplesmente não consegui ver só isso, e gostei bastante!!

O motivo principal é que eu já fui Cath, e mais ou menos do mesmo jeito precisei criar uma independência e ter voz própria. Então quando ela estava sofrendo por não ter amigos, não conseguia compartilhar os sentimentos, teve medo de não ser boa em nada, dentre outras situações em que ela se envolve, eu simplesmente sabia o que ela estava passando. E eu sei que ela sofreu por coisas aparentemente bobas, e muita gente revirou os olhos lendo, mas eu não.

Daí em diante não tinha muito como eu não gostar do livro. Os problemas de Cath vão muito além dessas inseguranças, como ter um pai com problemas psicológicos, e uma mãe ausente que abandonou ela e a irmã quando pequenas. Foi interessante como isso foi aparecendo aos poucos, porque na cabeça de Cath o pior drama no momento é o afastamento da irmã por querer uma liberdade, mas esses assuntos sempre voltam, pois são importantes sim, e são parte do problema como um todo.

A construção e amadurecimento dos personagens feitos pela Rainbow Rowell são incríveis. Li também Eleanor & Park e foi igualmente delicioso de ler e acompanhar. O romance é um pouco infantil, bobo, mas além de ser um livro jovem adulto (mesmo que ela esteja na faculdade)  Cath é meio inexperiente, então acho justificado. Mas a impressão que eu tive mesmo é que são situações típicas dos anos 90. Para quem assistiu Dawson’s Creek, Gilmore Girls ou Barrados no Baile (um pouco mais velho) ou qualquer outro seriado adolescente da mesma época vai identificar situações parecidas.

E por fim, vamos falar sobre o que leva o livro ter esse nome: a fanfiction! É um elemento importante e super presente, mas eu mal falei nele ainda. Primeiro porque acho que o livro é mais do que isso, e muita gente tem preconceito por causa dele. O fato de Cath ser uma escritora de fanfiction, para mim só acrescentou à experiência, porque eu também já escrevi (me julguem) e eu achei o máximo ter uma história sobre isso. Depois que a devoção dela pela escrita, a vontade de sentar à frente do computador e digitar o que é muito real só na mente dela é uma sensação que compartilho. E todas as vezes que ela sentia essa urgência eu senti também, e ler esse livro me deu muita vontade de escrever (não necessariamente fanfics, mas qualquer coisa em geral. Qualquer pessoa que gosta de escrever vai se identificar)!

Eu só acho que não precisava ter tantos trechos transcritos da fanfic de Cath no livro. =/ Apesar de amar o fato dela ser essa escritora, eu realmente não estava muito interessada no romance que ela escreve. Queria saber o que acontecia com ela, com Wren, o pai, os amigos dela… etc.

Enfim, amei o livro, mas sei que não é para todo mundo.

Notas:

  • Escrita: 4
  • Ambientação: 5
  • Personagens: 5
  • Enredo: 4
  • Diversão: 5

estrelas

fangirl

Anna Kariênina por Liev Tolstói

É um romance histórico, situado na Rússia séc XIX, escrito da mesma época. Sempre ligado à dualidades (paralelismo, contrastes), duas capitais, capital e campo, aristocracia e trabalhadores (apesar de que no ponto de vista de aristocratas), homem e mulher, religião e ceticismo, intelectual e homem prático, socialismo e capitalismo…

Os dois personagens principais são Anna e Liévin, apesar de não terem nenhuma relação direta, a história envolve o circulo social em comum com os dois, então estão intimamente ligados com os atos um do outro.

2015-07-04 20.28.41

Meus pensamentos:

Deliciosamente escrito. O começo tem uma leitura super fluida, a impressão é que vai passar rápido. Achei muito interessante a apresentação dos personagens, começando centrada em uma pessoa, que se encontra com o outro, e a narrativa passa a focar nesse segundo, e assim por diante. Até Anna ser apresentada.

Como protagonistas, os pensamentos mais detalhados no livro são os deles dois, e são também os seres mais indecisos e confusos que eu já vi/li/presenciei. Estão sempre em conflito com alguma decisão, ou sentimento. Às vezes é interessante, pois mostra como o ser humano é volúvel e confuso, mas quando o conflito se repete constantemente (o livro tem 800 páginas, seria impossível algo não se repetir) ou você acredita que tomaram a decisão, mas na página seguinte mudam de ideia, é um pouco cansativo e irritante.

Fora esses momentos, e o fato que é um livro longo, então tem que ser lido com calma, pois nada vai acontecer de repente (quase tudo), é uma história excelente!!

É dividido em 8 partes, e todas têm mais ou menos o mesmo ritmo, com um começo situando quanto tempo passou e como estão os personagens, algum acontecimento que muda a vida de todos os personagens do núcleo, e algum tipo de resolução no final.

Diversos temas são abordados, família, religião, lealdade, amor (de diferentes tipos, à um parceiro, filho, trabalho, família, terra, estilo de vida, ideologia), política, o papel da mulher, o sentido da vida, morte… Marquei várias passagens interessantes:

Apesar de ter demorado pouco mais de 1 mês para ler, talvez tivesse aproveitado um pouco mais se tivesse lido mais devagar. Absorver tudo que Tolstói quis passar com a obra em tão pouco tempo é injusto e complicado. As oito partes foram sendo publicadas com intervalos entre si, e sendo escritas nesse ínterim.

Sinto também que algumas reflexões fizeram mais sentido então, e hoje temos mais flexibilidade em aceitar diferentes modos de vida (eu pelo menos), mas o conflito principal, que é pelo que a obra é mais conhecida, o adultério de Anna, e as consequências disso são um pouco fora da nossa realidade, então fica muito difícil aturar as angustias dela. A posição na sociedade, o direito de ver o filho do outro casamento, a relutância do marido em dar o divórcio, o tratamento dado pelo amante e o que ele espera dela, tudo isso seria mais simples hoje. Claro que ainda existem conflitos parecidos no mundo atual, mas são gerados por motivos diferentes dos apresentados no livro.

Quanto mais eu penso sobre o livro, mais eu me espanto com o quão rico foi, mesmo a leitura tendo sido penosa algumas vezes. Não recomendo para qualquer pessoa, mas quem gosta do tipo de livro que faz reflexões sobre o cotidiano humano e nossos desejos, virtudes e falhas mais secretos, é uma prato cheio!

Notas:

  • Escrita: 5
  • Ambientação: 5
  • Personagens: 5
  • Enredo: 4
  • Diversão: 4

estrelas

Quem já leu, me conte o que achou! Foi difícil chegar até o fim?

A Máquina de Xadrez por Robert Löhr

Sinopse

A_Maquina_de_XadrezInspirado em uma história verídica de um autômato (boneco articulado à corda) que conseguia “pensar” e jogar xadrez, este livro fantasia sobre acontecimentos e intrigas envolvendo essa máquina, que na verdade foi uma farsa, escondia um anão perito em xadrez e que o controlava.

Ambientado em países do Leste Europeu, Áustria e Eslováquia, no século XVIII, a história é focada na criação do autômato nomeado de O Turco, e nas relações entre o seu criador, o barão Wolfgang von Kempelen, e o anão que é a alma do Turco.

O conflito envolve a nobreza, jogos de interesse, luxúria, vingança e o suspense da descoberta da farsa da máquina invencível de xadrez.

Minha Visão Geral

A premissa é muito interessante, a ambientação é bem feita, mas não é um livro regular, tendo uma parte extremamente monótona e outras com acontecimentos mais interessantes. Algumas cenas tinham diálogos forçados, e nem sempre fui convencida por certas decisões dos personagens. Os personagens foram bem construídos a ponto de você achar que os tinha conhecido, mas aí ele toma uma decisão que não faz muito sentido, aí parece que o autor força alguns acontecimentos, pois ele quer levar a história para um lugar, mas não soube levar naturalmente.

É um livro bom, mas não pretendo reler, e não acho que todos vão gostar.

Notas:

  • Escrita: 3
  • Ambientação: 4
  • Personagens: 4
  • Enredo: 3
  • Diversão: 3estrelas

E aí, alguém já leu? Me conte o que achou! Até +